Ciência
Tendência

Astrônomos descobrem exoplaneta potencialmente habitável ‘próximo’ da Terra

Astrônomos descobriram o planeta Gliese 12 b, a 40 anos-luz, com tamanho similar à Terra e Vênus. Sua proximidade e características favorecem estudos futuros sobre habitabilidade.

Astrônomos de duas equipes internacionais descobriram um planeta com tamanho entre a Terra e Vênus, a apenas 40 anos-luz de distância, utilizando observações do satélite TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite) da NASA. Esse planeta, denominado Gliese 12 b, apresenta características que o tornam um candidato ideal para estudos mais aprofundados com o Telescópio Espacial James Webb.

O TESS, que monitora grandes áreas do céu por cerca de um mês de cada vez, é projetado para capturar trânsitos — diminuições regulares no brilho das estrelas causadas pela passagem de planetas em órbita. Este é um dos principais objetivos da missão. Gliese 12 b foi identificado através dessas observações, orbitando a estrela anã vermelha Gliese 12, localizada na constelação de Peixes.

Encontramos o mundo temperado e do tamanho da Terra mais próximo em trânsito já localizado“, afirmou Masayuki Kuzuhara, professor assistente no Centro de Astrobiologia em Tóquio, que co-liderou uma das equipes de pesquisa com Akihiko Fukui, da Universidade de Tóquio. “Embora ainda não saibamos se ele possui uma atmosfera, estamos considerando-o como um exo-Vênus devido ao seu tamanho e à energia que recebe de sua estrela, similar à de Vênus no nosso sistema solar.

Características de Gliese 12 b

A estrela Gliese 12 é significativamente menor e mais fria que o Sol, com cerca de 27% de seu tamanho e 60% de sua temperatura superficial. Gliese 12 b orbita essa estrela a cada 12,8 dias e é comparável em tamanho à Terra, ou ligeiramente menor, semelhante a Vênus. Sem uma atmosfera, a temperatura na superfície do planeta é estimada em cerca de 42 graus Celsius.

A proximidade do planeta com sua estrela — apenas 7% da distância entre a Terra e o Sol — faz com que ele receba 1,6 vezes mais energia do que a Terra recebe do Sol e cerca de 85% do que Vênus recebe.

Gliese 12 b, que orbita uma estrela anã vermelha fria localizada a apenas 40 anos-luz de distância, promete dizer aos astrónomos mais sobre como os planetas próximos das suas estrelas retêm ou perdem as suas atmosferas. Neste conceito artístico, Gliese 12 b é mostrado retendo uma atmosfera tênue. (Imagem: NASA/JPL-Caltech/R. Hurt)

Implicações para a habitabilidade

A descoberta de Gliese 12 b é significativa porque planetas ao redor de estrelas anãs vermelhas são mais fáceis de detectar devido ao maior escurecimento causado pelos trânsitos e à maior influência gravitacional que exercem sobre suas estrelas. “Gliese 12 b representa um dos melhores alvos para estudar se planetas do tamanho da Terra orbitando estrelas frias podem reter suas atmosferas,” explicou Shishir Dholakia, doutorando na Universidade de Southern Queensland, Austrália, que co-liderou outra equipe de pesquisa com Larissa Palethorpe, da Universidade de Edimburgo e University College London.

A retenção de uma atmosfera é crucial para a habitabilidade de um planeta. Estrelas anãs vermelhas são conhecidas por sua atividade magnética intensa, que pode resultar em explosões de raios X capazes de eliminar atmosferas planetárias. No entanto, análises indicam que Gliese 12 não apresenta comportamentos extremos.

Acredita-se que as primeiras atmosferas da Terra e de Vênus foram removidas e substituídas por emissões vulcânicas e bombardeios de materiais residuais,” explicou Palethorpe. “Como Gliese 12 b tem uma temperatura intermediária entre a Terra e Vênus, seu estudo pode nos ensinar muito sobre os caminhos de habitabilidade que os planetas seguem.

Estudos Futuros com o Telescópio Espacial James Webb

Durante um trânsito, a luz da estrela passa pela atmosfera do planeta, permitindo que os cientistas identifiquem sua composição química através de espectroscopia de transmissão. “Para entender melhor a diversidade de atmosferas e os resultados evolutivos desses planetas, precisamos de mais exemplos como Gliese 12 b,” disse Michael McElwain, astrofísico do Goddard Space Flight Center da NASA e co-autor do estudo de Kuzuhara e Fukui.

Os resultados das duas equipes foram publicados em 23 de maio no The Astrophysical Journal Letters e no Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. Esses estudos iniciais abriram caminho para futuras observações com o Telescópio Espacial James Webb, que poderão revelar mais detalhes sobre a atmosfera de Gliese 12 b e sua potencial habitabilidade.


Descubra mais sobre N10 Notícias

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Romário Nicácio

Administrador de redes, estudante de Ciências e Tecnologia (C&T) e Jornalismo, que também atua como redator de sites desde 2009. Co-fundador do Portal N10 e do N10 Entretenimento, com um amplo conhecimento em diversas áreas. Com uma vasta experiência em redação, já contribuí para diversos sites de temas variados, incluindo o Notícias da TV Brasileira (NTB) e o Blog Psafe. Sua paixão por tecnologia, ciência e jornalismo o levou a buscar conhecimentos nas áreas, com o objetivo de se tornar um profissional cada vez mais completo. Como co-fundador do Portal N10 e do N10 Entretenimento, tenho a oportunidade de explorar ainda mais minhas habilidades e se destacar no mercado, como um profissional dedicado e comprometido com a entrega de conteúdo de qualidade aos seus leitores. Para entrar em contato comigo, envie um e-mail para romario@oportaln10.com.br.

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo